COLUNISTAS

MOVIMENTOS NEGROS: PACTOS, ACORDOS E ALIANÇAS PARA O BRASIL QUE DESEJAMOS

Valdecir Nascimento

Este artigo pretende colaborar com as reflexões de companheiras e companheiros sobre o cenário político nacional. As reflexões são fruto do olhar de uma mulher negra ativista que há quase quarenta anos mergulha no trabalho de construção de uma sociedade plurirracial e democrática, como anuncia Abdias Nascimento, no livro O genocídio do negro brasileiro (1978): “Ou ela é democrática para todas as raças e lhe confere igualdade econômica, social e cultural, ou não existe uma sociedade plurirracial e democrática”. A reflexão de Abdias, publicada há 40 anos, aponta a manutenção dos privilégios da branquitude como o principal entrave para a democracia brasileira.

AH! COMO É DIFÍCIL SAIR DO ENSINO PRÉ PRIMÁRIO SOBRE QUESTÕES RACIAIS

Ceres Santos

Quero conversar com vocês o que já venho falando, há algum tempo, com amigas naqueles momentos do tipo ‘fala que eu escuto’ que chamo de difícil saída do pré primário sobre questões raciais. Então, com alguma frequência sou convidada ou convocada para falar sobre racismo e educação, racismo e mídia, racismo e mulher negra, racismo e religiosidade, Políticas de Ações Afirmativas, principalmente.

CORPO NEGRO: ONDE A ÉTICA SE ESVAI

Emanuelle Góes

“Garota, os negros não conseguem órgãos, eles dão órgãos”, disse um senhor afro-americano que trabalhava no setor de nefrologia. “Eu nunca teria um procedimento feito aqui, eu já vi muito. Para eles, se você é negra e pobre, você não passa de uma cobaia” continuou.

GORDOFOBIA NÃO É UMA QUESTÃO DE IDENTIDADE

Jész Ipolíto

Ser uma mulher gorda é algo inconcebível para a maioria das pessoas. É sempre um tal de conselho para lá, dica de dieta para cá, sugestão de academia e telefone de nutricionista.Na maioria das vezes nada disso foi solicitado. É assim: as pessoas se sentem muito livres e confortáveis em interpelar você, mulher gorda, para falar essas coisas… Com uma naturalidade que chega doer.

NEGRO AMOR: BENTO E LUIZA E A SINA POR AMOR E LIBERDADE

Clíssio Santana

Bento e Luiza eram escravizados fugidos, respectivamente de Manoel Domingos e
Bernardino da Silva Carneiro, e viviam possivelmente escondidos, nas matas da fazenda
“Cabeça de Negô”, na freguesia de Santo Estevão do Jacuípe.

Equipe Afirmativa

A Revista Afirmativa chega para somar. Dar opinião e ser canal de opinião, dos silenciados pela grande mídia, a tradicional, a hegemônica. Somo mais um horizonte afirmativo para o jornalismo da diversidade e do direito à informação. Somos a Juventude Negra Voz Ativa! Há de ter mais verdade, humanidade e poesia nos jornais… Nós acreditamos!

Nossas redes sociais

Fique sempre por dentro dos conteúdos da Revista Afirmativa nas redes socais