Pessoas  trans ou travestis formam audiência que gerou recortes sociais e comportamentais, expressados via Twitter, apontando de transfobia a oportunidades, como transemprego

Texto: Divulgação
Imagem: Thiago Bruno/Reprodução

A pesquisa “Universo Trans” é uma iniciativa inédita que traz recortes sociais e comportamentais a partir de interações sobre pessoas tran ou travestis no Twitter. Para realizar essa pesquisa foram coletados 164,93 mil tweets, 5,5 milhões de interações sobre o assunto, em apenas cinco meses. E tudo isso para saber “Mas o que as pessoas trans falam sobre suas perspectivas?”.

 A pesquisa trouxe um recorte social e mostra que 70% das pessoas trans ou travestis pretas e periféricas falam mais sobre racismo associado a temas como Corpo e Transição, Oportunidade e Identidade, do que sobre os demais assuntos que permeiam seus estilos de vida.  Além deste dado, a pauta mais debatida é a Transfobia com 88,6% das menções, seguido de Identidade 4,78%, Luta e aceitação 4,03%, Oportunidade 1,51% e Corpo e transição 1,07%.

O estudo é realizado pela Zygon, adtech especializada em marketing digital com soluções de análise de dados e mídia programática, em parceria com a Nhaí!, agência de inovação do entretenimento e marketing com foco na diversidade, e a Casé Fala, agência de conteúdo e curadoria de palestras.

 “Com estes dados, foi possível ver as diferentes nuances sobre o que se fala online a respeito do universo trans. Há predominância, ainda, de relatos de transfobia, mas vemos como outras pautas estão em crescimento acelerado”, explica Lucas Reis, CEO da Zygon e Doutor em Big Data aplicada à análise de redes sociais.

“Além de existir uma imposição de padrão estético no corpo trans, tem também a sua objetificação e exigência de servir como um marcador social. O processo de aceitação e de assumir-se perante a sociedade é algo mais difícil para pessoas negras e periféricas”, afirma Raquel Virgínia, fundadora da Nhaí! (Imagem de Destaque).

Ainda assim, Identidade foi o segundo assunto mais debatido e teve um aumento de 133% no período da pesquisa. Só o termo “pronome” aparece em mais de 25% de todos os conteúdos relacionados à identidade.

Seguido de Luta e aceitação, enfatizando o reconhecimento da intelectualidade e capacidade de ocupar quaisquer espaços sociais demonstrando uma interseccionalidade com o tema Oportunidade.

De acordo com dados da pesquisa, o tema Oportunidade teve maior número de tweets realizados no dia 29 de janeiro de 2021, dia da Visibilidade Trans e Travesti. E ao longo do tempo ganhou força, apresentando uma taxa de engajamento 22% superior à média. 31% desse grupo está em busca de oportunidade e 47% busca visibilidade, os demais abordam assuntos como empreendedorismo.

Não à toa que o maior pico, com 33 mil tweets, veio no último dia 17 de maio, Dia Internacional contra a Homofobia, Transfobia e Bifobia, com exigências de igualdade, respeito, contra a discriminação e violência. Como também, outra questão muito comentada foi a participação de uma mulher trans no reality No Limite, trazendo menções sobre a importância da representatividade nesses espaços midiáticos.

O que a pesquisa mostrou é que posts sobre oportunidades engajam 22% a mais que posts sobre casos de transfobia. “Isso mostra a importância da inclusão de pessoas trans no mercado de trabalho, o quanto querem, procuram e engajam no assunto” reitera Raquel Virgínia.

“Atualmente fala-se muito sobre a importância da diversidade, mas para evoluir é necessário ter um olhar atento e mais profundo para questões de raça e gênero, essa pesquisa colabora para a importância de avançar com essa pauta para além do mês do orgulho LGBTQIA+, precisamos evoluir e incluir essas questões estrategicamente nos negócios”, ressaltam Patrícia Casé e Fabiana Oliva, cofundadores da Casé Fala.