Outro caso de duas jovens, entregues a traficantes da região, também é investigado

Por Patrícia Rosa

Imagem: Metro1

Sete pessoas, entre elas os 3 seguranças do Supermercado Atakarejo, mais 4 homens, foram presos, nesta segunda-feira (11), suspeitos  dos homicídios  de Bruno Barros da Silva, 29 ,   e Yan Barros da Silva, 19. Tio e sobrinho respectivamente, que foram assassinados no dia 26 de abril após a suspeita de furto de carnes na unidade da loja, no bairro de Amaralina, em Salvador.

A operação Retomada, da Polícia Civil, realizou também mandados de busca e apreensão na unidade do Atakarejo e em casas na região. De acordo com informações da polícia, a ação contou com 50 equipes e 200 policiais civis, além dos policiais militares. As buscas ocorreram em outros bairros da cidade, como na Mata Escura, Fazenda Coutos e na cidade de Conceição de Jacuípe.

Durante a coletiva de imprensa, concedida nesta segunda-feira para falar sobre a operação, foi revelado um caso de tortura ocorrido na mesma loja, em outubro do ano passado. Três adolescentes, também suspeitas de furto, foram entregues a traficantes do Nordeste, duas das garotas conseguiram escapar e a terceira passou por seções de tortura. A vítima não prestou queixa, por medo.

“Essa investigação também está em curso e o que a gente conseguiu apurar é que muitos dos indivíduos que teriam participado dessa ação mais recente, teriam participado da ação do ano passado. Isso pra a gente está confirmado. Nós estamos correndo com a investigação desse outro inquérito policial que deverá somar à investigação desse duplo homicídio”, disse a delegada Andréa Ribeiro em coletiva.

Com relação ao assassinato de Yan e Bruno, a participação do gerente da loja está sendo analisada, suspeitos foram ouvidos para apuração do caso. O Atakarejo declarou por nota, que não comenta decisão judiciais e que continuará colaborando com as autoridades, para que o crime seja solucionado.

No dia do duplo assassinato, tio e sobrinho foram pegos, por seguranças da loja, na tentativa de roubar carnes, que somavam o valor de R$700. Os funcionários não acionaram a polícia, exigiram o valor do produto e entregaram os dois homens a traficantes da região.

Vídeo mostra momento o momento em que jovens foram levados para uma área do mercado Atakarejo de Amaralina acusados de furto