Da Redação

A indígena Ariane Oliveira Canteiro, de 13 anos, que desapareceu no dia 02 de setembro na Aldeia Jaguapiru, foi encontrada morta no último domingo (11). O corpo da adolescente estava em avançado estado de decomposição quando foi encontrado, durante um mutirão organizado por lideranças indígenas, em uma propriedade rural nos arredores da reserva indígena de Dourados, Mato Grosso do Sul (MS).

De acordo com a Polícia Civil de Dourados (MS), um adolescente, de 17 anos, confessou ter estrangulado até a morte a vítima alegando ciúmes como motivo do assassinato. Segundo o delegado que investiga o caso, Dermeval Inácio, o suspeito foi localizado nas redondezas e conduzido para a delegacia com o apoio das lideranças indígenas.

Ariane Canteiro era neta do cacique Getúlio de Oliveira,  da aldeia Jaguapiru. A adolescente teria desaparecido durante a noite da sexta-feira (2) em casa. Em entrevista ao G1, Aldeneia Oliveira, mãe de Ariane, afirmou que a menina e o irmão estavam no celular quando ouviram alguém bater na porta. Ela saiu para ver quem era e não foi mais vista. “Passamos a noite procurando pela minha filha. No sábado procuramos o cacique, ele acionou as autoridades sobre o desaparecimento”, disse a mãe.