A mulher que cometeu injúria racial se diz caucasiana.  O caso é investigado pela Delegacia de Pau da Lima, na capital baiana

Por Daiane Oliveira

Imagem: Reprodução

No sábado (6), a extensionista de cílios Andresa Fonseca foi vítima de racismo na parte externa de uma loja de conveniências na Avenida São Rafael, no bairro São Marcos, em Salvador. Em um vídeo feito pela própria vítima é possível identificar a agressora afirmando que “odeia pessoas pretas” e declarou ser “caucasiana” com o cabelo liso, sem química.

No vídeo ainda é possível ouvir a agressora dizer que não gosta de pessoas como a vítima na mesma mesa que ela. “Quem tem que se levantar e sair é você porque eu não gosto de gente escura igual você”, afirma a racista.

Em entrevista ao G1, Andressa informa que ligou para 190, número da Polícia Militar, mas foi informada que o envio de uma viatura não seria possível e que ela deveria registrar um boletim de ocorrência em uma delegacia. Assim, a vítima começou a filmar as agressões para usar como prova. “A sensação foi de agressão e de rememorar tudo que nós pretos sofremos no dia a dia”, desabafou a vítima durante a mesma entrevista.

O boletim de ocorrência na Delegacia de Pau da Lima que deve contar com a Coordenação Especializada de Repressão aos Crimes de Intolerância e Descriminação (COERCID) para identificar a autora e seguir com as investigações.