O acusado disse frase racistas para funcionários após ser solicitada a identificação para comprovação da gratuidade na aquisição de passagem

Por Daiane Oliveira

Um homem, com nome e idade não divulgados pela Polícia Militar, foi detido por policiais militares após proferir agressões raciais contra funcionários do sistema ferry-boat em Salvador (BA). O acusado se dirigiu ao caixa de compra de bilhetes para aquisição de uma passagem de gratuidade destinada a idosos a partir de 65 anos, crianças com 5 anos ou menos e pessoas portadoras de deficiência. As agressões começaram após a funcionária solicitar uma carteira de identificação, necessária para comprovação da gratuidade.

Na região onde é feito o embarque o homem continuou ofendendo outros funcionários também com frases racistas, mas foi detido e conduzido por policiais militares da 5ª Companhia Independente de Polícia Militar (Cipm) para a  19ª Delegacia Territorial, onde os funcionários registraram boletim de ocorrência.

Apesar da polícia não ter informado em nota quais xingamentos foram feitos pelo acusado, em um vídeo que circula na internet é possível ouvir um homem chamando supostamente a funcionária de “Desgraça, preta” e mesmo sendo filmado diz: “Vocês gostam de querer humilhar preto. Quem tá falando sou eu. E grave e mande para a justiça”, segue.

Em entrevista ao blog do Valente a vítima que estava no guichê relatou que se sentiu constrangida e que não foi a primeira vez que sofreu preconceito racial. Ela lamentou a violência sofrida: “É triste ver que, mesmo em pleno século XXI, ainda precisamos lidar com esse tipo de comportamento”, declarou a vítima que não quis se identificar.

Após a coleta dos depoimentos dos policiais militares que conduziram os envolvidos, além das vítimas e do suspeito, foi instaurado um inquérito policial. O homem foi ouvido e vai responder ao processo em liberdade.

O crime aconteceu no terminal de Itaparica no domingo (30). Em nota, a Internacional Travessias Salvador, concessionária que administra o sistema ferry-boat, disse que os colaboradores “prestaram queixa à polícia presente no terminal, que o conduziu para à delegacia” e que a empresa “reforça seu apoio aos colaboradores e a todos os usuários do sistema, e demonstra total repúdio a atos que coloquem em risco a segurança e integridade de todos”, informa a concessionária.