Da Redação
Imagem: Divulgação

No dia 25 de julho, quando se celebra é celebrado o Dia da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha e o Dia Nacional de Tereza de Benguela, será lançado o edital para a 3ª edição do projeto Opará Saberes. A iniciativa tem como objetivo apoiar pessoas negras, principalmente mulheres, nos processo de seleção para os cursos de mestrado e doutorado de universidades públicas brasileiras.

O lançamento acontecerá em uma live, às 17h, no perfil do Instagram da escritora Carla Akotirene (@Carlaakotirene), doutora em Estudos Feministas pela Universidade Federal da Bahia (UFBA) e idealizadora do projeto Opará Saberes. O projeto oferece, de forma totalmente gratuita, suporte político, teórico, metodológico e psicológico, contribuindo, além da aprovação, com a permanência nos cursos.

Para Carla Akotirene o projeto não é apenas acadêmico, mas uma forma de subverter estruturas de opressões da sociedade.

“Sem reposicionar a humanidade das mulheres negras em espaços estratégicos como a política e o universo acadêmico, dificilmente teremos uma sociedade justa e igualitária. A mulher negra articula pela própria identidade, uma encruzilhada decisória contra o racismo patriarcal capitalista”, afirma Akotirene.

A live conta com a participação da filósofa Djamila Ribeiro, a psicóloga Laura Augusta, a escritora Lívia Natália, a promotora de Justiça do Ministério Público da Bahia, Lívia Vaz, a historiadora Ana Paula Brandão, diretora programática na ActionAid Brasil, e a angolana Florita Cuhanga de Kinjango Telo, doutora em Mulher, Gênero e Feminismo (UFBA). A mediação será de Carla Akotirene e da jornalista Gabriela Monteiro, coordenadora executiva do Opará Saberes”. Todas são intelectuais que representam a contribuição das mulheres negras para a educação, a ciência e a universidade brasileira. 

“O objetivo do Opará Saberes é enfrentar o epistemicídio dos pensamentos negros e garantir o ingresso e permanência de pessoas negras neste espaço de circulação de conhecimentos e de tomada de decisões políticas que são as universidades públicas e seus programas pós-graduação”, explica Carla Akotirene.

Também será lançada uma campanha de financiamento coletivo para que a sociedade possa contribuir na ampliação do projeto, possibilitando o acompanhamento mais contínuo das candidatas. O Projeto SETA – Sistema de Educação por uma Transformação Antirracista apoia o Opará Saberes, através da ActionAid Brasil.