A produção tem equipe 100% feminina e 80% negra, e pode ser assistida pelo Canal Brasil ou pelo Globoplay

Por Andressa Franco

Estreou na última quarta-feira (07) a minissérie documental “Para Onde Vamos?”, que retrata cinco mulheres negras, ativistas e de diferentes regiões do Brasil, em busca de um mundo mais justo e seguro. Transmitida pelo Canal Brasil, também está disponível no serviço de streaming Globoplay.

Com três episódios, a produção se baseou em um relatório realizado em 2020 pelo Instituto Marielle Franco e pelo Movimento Mulheres Negras Decidem. O levantamento ouviu 250 mulheres negras de todo o país, e mostra que 74% delas estão envolvidas em projetos sociais, destas, 62% participam de alguma ação contra a pandemia de covid-19.

As entrevistadas, que falam de diferentes lugares, tanto da política institucional como da sociedade civil, e atuam pensando políticas públicas em seus territórios, são: Anielle Franco (Rio de Janeiro), escritora, professora e diretora do Instituto Marielle Franco; a deputada federal pelo PSOL Áurea Carolina (Minas Gerais); a pesquisadora e coordenadora adjunta da Fiocruz-PI Elaine Ferreira do Nascimento (Piauí), que atuou junto às populações marginalizadas durante a pandemia de Covid-19; além de Paula Beatriz de Souza Cruz (São Paulo), primeira transexual a dirigir uma escola pública em São Paulo; e Vilma Reis (Bahia), socióloga e uma das fundadoras do Levante Feminista contra o Feminicídio.

A minissérie, com roteiro e direção de Claudia Alves, tem coprodução da FLUXA Filmes e Canal Brasil, e foi produzida durante a pandemia, com uma equipe 100% feminina, e 80% negra, o que não é comum na indústria audiovisual. De acordo com o último relatório da Agência Nacional do Cinema (Ancine), nenhuma mulher negra dirigiu ou roteirizou os filmes nacionais analisados pela agência no ano de 2016.

O próximo episódio será exibido na próxima quarta-feira (14), às 19h30, e o último na quarta-feira seguinte (21), e há também reprises programadas para quintas, 13h30; sextas, 15h30; e terças, 7h. No dia 25 de julho, Dia Internacional da Mulher Negra Latino-Americana e Caribenha, haverá uma maratona a partir das 9h45.