Bruno Monteiro (PT) apagou a postagem no mesmo dia, mas não emitiu nota e nem se posicionou sobre a frieza com que a execução de Mãe Bernadete foi tratada

Por Daiane Oliveira

Imagem: Reprodução Instagram

O secretário de Cultura da Bahia, o gaúcho Bruno Monteiro (PT), achou de bom tom realizar uma postagem em sua rede social onde trazia a execução da Mãe Bernardete, na última quinta-feira (17), e em seguida falava da alegria nos feitos do governo. “Hoje é um dia em que nos dividimos entre a tristeza e a alegria”, diz o texto que atribui a frase ao governador da Bahia, Jerônimo Rodrigues (PT).

“A tristeza motivada pelo inaceitável crime que ceifou a vida de Mãe Bernadete e para qual o governo está mobilizado em busca de justiça. E a alegria, vinda do orgulho em chegarmos a marca de 100 municípios visitados pelo governador em pouco mais de sete meses, com importantes entregas para as baianas e baianos”, diz a publicação que prossegue com os feitos da gestão.

A postagem no perfil de Bruno Monteiro no Instagram foi realizada na sexta-feira (18) e removida no mesmo dia após críticas por parte dos internautas que apontaram a “insensibilidade” por parte do gestor. No entanto, até o momento o secretário de Cultura não se manifestou no perfil ou em outro canal sobre a publicação.

Nascido em Porto Alegre, Rio Grande do Sul, Bruno Monteiro é jornalista e produtor cultural, com trajetória na política, onde foi assessor de comunicação do senador Jaques Wagner (PT) e fez parte da comunicação da campanha de Jerônimo para o governo em 2022. Bruno, que também esteve na produção de projetos como o documentário “Democracia em Vertigem”, assumiu a pasta após Arany Santana, a primeira mulher negra a gerir a Cultura na Bahia.