Da Redação

Na madrugada da última terça-feira (19), uma mulher indígena Pataxó HãHãHãe foi agredida por policiais militares durante a festa de aniversário de 60 anos da cidade de Pau Brasil, no sul da Bahia. Priscila Muniz, de 31 anos, estava no evento com o marido, que não é indígena, quando ele decidiu passar próximo a uma equipe da PM, que não teria gostado da aproximação e lhe atingido com um cassetete.

A mulher teve um corte extenso na cabeça e precisou levar pontos, além de hematomas no braço e na perna, chegando a desmaiar. O caso foi registrado por Priscila na quarta (20), na delegacia de Itabuna.

“Não teve motivo nenhum, ele apenas pediu licença para passar, aí eles agrediram meu esposo. Quando eu pedi para que eles não fizessem isso porque a gente só estava passando eles me agrediram. Não tem lógica! A única coisa que eu posso dizer é preconceito contra nós indígenas”, declarou ao jornal Correio.

A agressão foi registrada em vídeo e ganhou repercussão nas redes ao serem compartilhadas pela jovem liderança Pataxó HãHãHãe Fabrício Titiah. As imagens mostram Priscila e o marido sendo agredidos e caindo no chão, enquanto os policias seguem desferindo golpes. Ela ainda faz uma tentativa de dialogar com os PMs enquanto o sangue escorre da sua testa.

A Polícia Militar informou que irá apurar o caso com o comando da região.