A vítima estava no local de trabalho quando foi assassinada pelo policial. De acordo com a família, a jovem deixa dois filhos

Por Daiane Oliveira

Imagem: Reprodução Redes Sociais

Um policial militar matou a ex-mulher a tiros por volta das 14h desta quinta-feira (22) em um salão de beleza dentro do Big Bompreço da Avenida ACM, em Salvador. Greice Kelly Rocha Soares, 26 anos, foi baleada oito vezes. O Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) foi chamado e prestou atendimento à vítima, mas a morte foi confirmada ainda no local.

O policial militar entrou armado no estabelecimento onde a ex-companheira trabalhava. Após o feminicídio, o homem foi autuado em flagrante pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP). Em nota, a Polícia Civil informa que as “testemunhas foram ouvidas na unidade especializada, o autor passou por exames de lesões corporais e foi encaminhado para a carceragem do Batalhão de Choque”.

A lei de abuso de autoridade prevê como crime “Antecipar o responsável pelas investigações, por meio de comunicação, inclusive rede social, atribuição de culpa, antes de concluídas as apurações e formalizada a acusação”. Por isso, o nome do agente da polícia militar não foi divulgado. Segundo o Jornal Correio da Bahia, o homem era lotado na 23ª Companhia Independente da Polícia Militar (CIPM).

Em nota enviada à imprensa, o grupo Big responsável pelo estabelecimento comercial, informa que após o crime as medidas de emergência foram tomadas. “A rede lamenta profundamente o ocorrido na tarde desta quinta-feira e informa que suas equipes adotaram todas as medidas emergenciais necessárias, acionando atendimento médico e a Polícia Militar imediatamente. A loja foi fechada logo após a ocorrência. Nos solidarizamos com a vítima e sua família e estamos colaborando e à disposição das autoridades para fornecer as informações necessárias”, diz o texto.

Segundo o irmão da vítima em entrevista ainda ao jornal Correio da Bahia, Greice Kelly Rocha Soares tinha uma relação conturbada com o ex-companheiro, inclusive recentemente o acusou de lesão corporal, mas não chegou a registrar o crime para as autoridades.

Em Recife policial assassinou mulher grávida de três meses e colegas

O crime de Salvador é o segundo feminicídio envolvendo um policial militar nesta semana. Na terça-feira (20), um soldado da Polícia Militar de Pernambuco, Guilherme Barros, assassinou a esposa grávida de três meses antes de invadir o 19º Batalhão de Polícia Militar (BPM), onde trabalhava, e disparar várias vezes, alvejando quatro colegas. O homem se matou em seguida.

A Secretaria de Defesa Social (SDS) informou que os crimes que ocorreram na sede do 19º BPM serão apurados por meio de Inquérito Policial Militar, enquanto a morte de Claudia Gleice da Silva, foi registrada como feminicídio pela Força Tarefa de Homicídios e as investigações segue a cargo da 14ª Delegacia de Polícia de Homicídios.