O atleta vem sofrendo ataques racistas desde a quinta-feira(15) quando o empresário espanhol,  Pedro Bravo, disse que o jogador deveria parar de “macacquices”

Por Daiane Oliveira

Imagem: David S. Bustamante/Soccrates/Getty Images

De acordo com o jornalista espanhol Iñaki Angulo, o atacante Vinícius Júnior do Real Madrid, sofreu ameaças de integrantes do “El Chiringuito” a respeito das reações sobre a fala racista do empresário Pedro Bravo. Em uma das mensagens o atleta foi ameaçado com a frase: “se publicar o vídeo, vamos te destruir.”

O craque do Real Madrid vem de uma boa fase no clube, mas a comemoração alegre com dancinhas após os gols começou a incomodar atletas rivais e até o agente de jogadores, Pedro Bravo. Durante uma entrevista para o programa “El Chiringuito”, na quinta-feira (15), o empresário mandou a seguinte mensagem ao jogador brasileiro.

“Você tem que respeitar o rival. Se quer dançar, que vá ao sambódromo no Brasil. Aqui o que você tem que fazer é respeitar os companheiros de profissão e deixar de fazer o macaquice.”

Já na sexta-feira, o Real Madrid se manifestou oficialmente e, posteriormente, o próprio Vinicius publicou o vídeo, que o programa “Chiringuito” tentou evitar com as ameaças. “Dizem que a felicidade incomoda. A felicidade de um brasileiro negro vitorioso na Europa incomoda muito mais”, disse o Vini Jr. no vídeo.

Iñaki Angulo ainda afirma que “a intimidação se deu através de ligações e mensagens dos integrantes do programa aos membros do estafe do jogador brasileiro em Madrid, alegando que o público poderia entender que o programa é racista e isso os prejudicaria”, o programa.

Após a repercussão internacional sobre o caso, o programa da TV  espanhola “El Chiringuito” se manifestou sobre o assunto dizendo que chamar alguém de “macaco” não é uma expressão racista. O apresentador Josep Pedrerol leu um posicionamento editorial o qual afirma que a expressão não tem cunho racista na Espanha.

“Quero deixar um recado para todos os brasileiros. A expressão “brincar de macaco” na Espanha é fazer papel de bobo. Não é racista. Mas na tradução foi mal interpretada. Um forte abraço e continue a dança”, disse o apresentador apontando que foi erro de tradução e não houve pedido de desculpas por parte do programa ao atleta.

O jornalista Juanfe Sanz, que faz parte do elenco fixo do programa, ainda disse que o jogador do Real Madrid seria imaturo profissionalmente. “Ele (Vini) não está enfrentando bem o momento diante destes focos. Ele está entre os três melhores do mundo atualmente, mas não está sabendo digerir a fama e o peso de ser uma estrela e de ter a responsabilidade de representar o Real Madrid”, diz.

Sanz ainda completa que com a sua fala “não justifica” as violências que Vini sofreu, mas reforça que o atleta não tem inteligência emocional. “Simplesmente estou dizendo que lhe falta inteligência emocional para evitar certas circunstâncias”, afirma. Até o momento, o programa não comentou sobre as ameaças.

Atlético de Madrid repudia através de nota atos racistas de sua torcida

No domingo (18), torcedores do Atlético de Madrid chamaram Vini Jr. de “macaco” no entorno do Estádio Metropolitano. O episódio de racismo por parte da torcida foi repudiado pelo clube Atlético de Madrid nesta terça-feira (20), depois de longa cobrança por posicionamento oficial do clube que seguia em silêncio diante de cânticos racistas e xenofóbicos entoados pelos torcedores do clube antes do clássico entre Atlético e Real Madrid.

O clube divulgou nota oficial repudiando os casos e afirmando que excluirá sócios do clube, caso seja comprovado que eles estiveram envolvidos no caso. Informando que os “cânticos nos causam enorme repulsa e indignação”, além de afirmar que colaboram com as autoridades para identificação dos torcedores. Confira a nota na íntegra.

“O Atlético de Madrid condena rotundamente os cânticos inadmissíveis que uma minoria de torcedores entoou no exterior do estádio antes do clássico. O racismo é um dos maiores males da nossa sociedade e, desgraçadamente, o mundo do futebol e os clubes não estão livres de sua presença. Nosso clube sempre se caracterizou como um espaço aberto e integrador de torcedores de diferentes países, culturas, raças e classes sociais e uns poucos não podem manchar a imagem de milhares e milhares de atléticos que apoiam o seu time com paixão e respeito ao rival.

Esses cânticos nos causam enorme repulsa e indignação e não vamos permitir que nenhum indivíduo se escore em nossas cores para proferir insultos de caráter racista ou xenófobo. No Atlético de Madrid, temos tolerância zero com o racismo. Nosso compromisso com a luta contra esse mal social é total e não pararemos até conseguirmos eliminá-lo. Para isso, nos pusemos em contato com as autoridades para oferecer nossa máxima colaboração na investigação dos acontecidos do lado de fora do estádio e para pedir-lhes a identificação das pessoas que participaram para poder expulsar imediatamente os que forem sócios do clube.