Segundo a polícia, a motivação do crime pode ser briga entre bairros de Santa Cruz Cabrália

Por Daiane Oliveira

Imagem: Reprodução Redes Sociais

O indígena Pataxó, Dênis Kawhã Santos da Cruz, de 16 anos, foi encontrado morto na praia de Santa Cruz Cabrália, no extremo sul da Bahia. O caso aconteceu no dia 24 de julho e nenhum envolvido no caso foi preso até então. O adolescente participava de uma festa quando foi retirado do local e levado até uma praia próximo a Avenida Beira Mar, e foi espancado até a morte.

O adolescente teve o rosto desfigurado após receber golpes com um artefato de madeira que tinha concreto na ponta. Em entrevista à TV Cabrália, o delegado que investiga o caso, Wendel Ferreira, declarou que o adolescente Pataxó pode ter sido assassinado por uma rivalidade entre dois bairros da cidade, Carajás, onde Dênis morava, e Cruzeiro, onde a festa aconteceu. “O levaram cerca de 600 metros pela praia, até o local onde ele foi assassinado. Ele foi agredido na cabeça diversas vezes”, contou o delegado.

Ainda segundo a polícia, pelo menos três pessoas estão envolvidas diretamente no assassinato, no entanto até o momento nenhum suspeito foi preso. O pai de criação de Dênis, Availton, deu entrevista à reportagem do Farol Bahia, lamentando a morte e comentou a brutalidade do crime. “Não existe um motivo para ter feito uma crueldade daquela com nosso Dênis. O rosto dele ficou desfigurado, quase não conseguimos reconhecer.”

Familiares e amigos de Dênis Kawhã realizaram um protesto na BR 367, em Coroa Vermelha, pedindo Justiça e celeridade nas investigações. O adolescente era conhecido por trabalhar e ajudar a comunidade. A polícia civil foi procurada pela Revista Afirmativa, mas até o fechamento desta matéria não recebemos nenhum retorno.