Aos 90 anos, com 70 de carreira, Léa deixa uma brilhante trajetória de luta e grandes trabalhos

Por Daiane Oliveira

Imagem: Divulgação

A atriz Léa Garcia, de 90 anos, morreu nesta terça-feira (15) em Gramado, onde receberia o troféu Oscarito, uma homenagem da 51ª edição do Festival de Cinema da cidade gaúcha. A informação foi confirmada pelos familiares da de Léa nas redes sociais.

Familiares usaram as redes sociais para anunciar o falecimento de Léa  Garcia. “É com pesar que nós familiares informamos o falecimento agora na cidade de Gramado no Festival de Cinema de Gramado da nossa amada Léa Garcia”, informaram.

Nascida em Praça de Mauá, no Rio de Janeiro, em 1933, Léa Lucas Garcia de Aguiar conheceu Abdias Nascimento, com quem teve dois filhos, Henrique Garcia Nascimento e Abdias Nascimento Filho. Aos 19 anos, Abdias, que era dramaturgo, ativista e um grande intelectual brasileiro, convenceu Léa a subir aos palcos pela primeira vez, no Teatro Experimental Negro, em 1952. Poucos anos depois, em 1956, a atriz fez Mira em Orféu da Conceição, de Vinicius de Moraes, a peça virou filme e Léa também atuou, dessa vez como Serafina. Com a personagem Léa Garcia ficou em segundo lugar na Palma de Ouro, em Cannes.

A atriz carioca passou pela TV Tupi na década de 50 e foi convidada para a TV Globo em 1970, poucos anos depois de ter seu terceiro filho, em 1965, Marcelo Garcia de Aguiar, fruto do relacionamento com Amargo Aguiar. Na Globo Léa Garcia atuou em “Assim na Terra como no Céu”, dramaturgia de Dias Gomes. além de “ “Escrava Isaura”, “Selva de Pedra”, “Fogo sobre Terra”, “A Viagem”, “Xica da Silva”, “Anjo Mau” e “O Clone”. Em 2006, já na Record, a atriz atuou em “Cidadadão Brasileiro”, com atuação ainda em “Luz do Sol” e “A lei e o crime”.

Em 2022, Léa celebrou 70 anos de carreira nos palcos,  na peça “A Vida Não É Justa” e ainda esteve na série “Arcanjo Renegado”. Léa Garcia deixa os três filhos, três netos, dois bisnetos e uma tataraneta.