Da Redação

Imagem: Divulgação

Na última quarta-feira (6), foi realizada em Niterói (RJ) uma audiência pública de combate a intolerância religiosa promovida pela vereadora Benny Briolly (PSOL). A sessão foi pensada após os ataques do pastor Felippe Valadão aos adeptos de religião de matriz africana em um show de comemoração do aniversário do Município de Itaboraí, vizinho da cidade de Niterói, no dia 19 de maio.

“De ontem para hoje tinha quatro despachos aqui na frente do palco. Avisa aí para esses ‘endemoniados’ de Itaboraí: o tempo da bagunça espiritual acabou, meu filho. A igreja está na rua! A igreja está de pé!”, declarou Valadão aos gritos. “E ainda digo mais: prepara para ver muito centro de umbanda sendo fechado na cidade. Deus vai salvar os pais de santo que têm na cidade”.

O Ministério Público do Rio de Janeiro (MP-RJ) ajuizou uma ação civil pública para que o pastor, que é líder da Igreja Batista Lagoinha, pague indenização de R$ 300 mil por danos morais coletivos.

“As lideranças religiosas me procuraram com desespero para saber como agir e imediatamente me coloquei à disposição, junto a mandata de favela e a comissão de Direitos Humanos ao qual presido”, explica Benny. “Adotamos todas medidas jurídicas cabíveis no momento e estamos nos organizando para combater o racismo, o fascismo e a intolerância religiosa”.

A parlamentar reuniu diversas lideranças religiosas de Niterói e municípios adjacentes e contou com a presença da OAB-Rio, a Comissão de Direitos Humanos da ABA, o Movimento Negro Unificado – MNU e diversas figuras públicas como o Babalawô Ivanir dos Santos, pré-candidato ao Senado pelo PDT.