Renato Freitas (PT) foi acusado de quebra de decoro e teve seu mandato cassado nesta quarta-feira (22)

Por Patrícia Rosa

Imagem: Eduardo Matysiak

A Câmara Municipal de Curitiba (PR) aprovou em segundo turno a cassação do mandato do vereador Renato Freitas(PT), de 37 anos, nesta quarta-feira (22) com 25 votos favoráveis, cinco contrários e duas abstenções. A acusação é de que Freitas teria cometido quebra de decoro em maio, após o vereador participar das manifestações pelos assassinatos de Moïse Kabagambe, espancado até a morte no Rio de Janeiro no início de 2022. No protesto, que ocorreu no último dia 05 de fevereiro, o grupo de manifestantes entrou após uma missa na Igreja do Rosário dos Pretos, em Curitiba. 

Na semana do ato, o vereador se manifestou através de nota e afirmando que o ato foi pacífico. “O local do ato foi escolhido por sua relação histórica com a população negra curitibana. Como parte simbólica da manifestação, entramos juntos na Igreja que estava vazia, de forma pacífica, relembrando que nenhum preceito religioso supera o amor e a valorização da vida.”

A defesa de Freitas afirmou por uma rede social que a sessão ocorreu de forma ilegal. “E pode inclusive sujeitar o Presidente da Câmara a consequências de improbidade administrativa, abuso de autoridade e violação às prerrogativas da advocacia”, declarou o advogado de defesa Guilherme Gonçalves.

Vereadora como Carol Dartora (PT) se manifestou contra a decisão.”Sempre que um corpo negro, periférico sobe ao poder, muitas são as forças que atuam para retirá-los.”

A Arquidiocese de Curitiba se colocou contra a cassação do mandato do vereador

A instituição religiosa encaminhou uma carta a Sidnei Toaldo, relator do pedido de cassação, onde afirma que os manifestantes entraram na igreja após o término da missa , “A movimentação contra o racismo é legítima, fundamenta-se no Evangelho e sempre encontrará o respaldo da Igreja. Percebe-se na militância do vereador o anseio por justiça em favor daqueles que historicamente sofrem discriminação em nosso país. A causa é nobre e merece respeito. O vereador procurou as autoridades religiosas, reconheceu seu erro e pediu desculpas”, enfatiza trecho da carta. 

Renato Freitas foi eleito Vereador nas eleições de 2020, com 5.097 votos. O 16º candidato a vereador mais votado de Curitiba.