Autor do ataque, Sandro Filho é membro do Movimento Brasil Livre (MBL), organização política e conservadora ligada à direita brasileira

Por Elizabeth Souza com contribuição de Patrícia Rosa

Imagem: Divulgação

A mandata coletiva Pretas por Salvador (PSOL), composta pelas vereadoras Cleide Coutinho, Laina Crisóstomo e Gleide Davis, foi alvo de insultos e ameaças proferidos por um militante da extrema direita, nesta quarta-feira (18). A situação aconteceu no gabinete das vereadoras, na Câmara Municipal de Salvador (BA), e foi registrada em um vídeo publicado nas redes sociais, onde é possível ouvir o autor do ataque, Sandro Filho – membro do MBL – esmurrando e gritando na porta da sala parlamentar. Após o ocorrido, a mandata registrou boletim de ocorrência na primeira Delegacia Territorial dos Barris, na capital soteropolitana.

Dando fortes batidas na porta, sobre gritos e palavrões, Sandro direciona ofensas à vereadora Laina Crisóstomo através de um discurso infundado e extremista sobre legalização das drogas, direito ao aborto e uso do dinheiro público. Do lado de dentro da sala a parlamentar comenta que se sente ameaçada junto à sua equipe de assessoria, em meio às investidas do membro do MBL que não cessam durante o vídeo. 

Laina informou que os ataques proferidos por Sandro não são recentes. “Desde o dia 23 de agosto venho sofrendo ataques nas redes por parte desse militante de extrema direita com divulgação de vídeos meus com cortes terríveis a fim de construir narrativas de fake news, incitação ao ódio e linchamento público”, relata a parlamentar. Ela afirma que os ataques retornaram dia 1º de setembro através de comentários que “seguiram sendo de muito ódio e defesa de violência”. 

“Na quarta-feira à tarde ele decidiu ir ao nosso gabinete e se sentiu confortável de esmurrar a nossa porta, xingar, gritar que sou abortista, maconheira e tantas outras acusações”, continua Laina. Em meio a situação, a parlamentar informou que a  assessoria chamou a polícia da Câmara Municipal, que agiu de forma “bastante cordial e amistosa não garantindo que a nossa assessoria se sentisse verdadeiramente segura”, completou. Após o ocorrido, a mandata registrou um boletim de ocorrência, no intuito de que situações como essa não mais ocorram.“Queremos justiça, não vamos parar até ter certeza de que haverá punição”, exige a parlamentar.

Violência política de gênero

Ainda na quarta-feira (18), a Executiva Estadual do PSOL Bahia emitiu uma nota de solidariedade à mandata Pretas por Salvador  pela situação de violência ocorrida na Câmara Municipal, episódio em questão classificado pelo partido como “ataque covarde e ato de violência política de gênero”.

O documento também chamou de “agressivas” e “ameaçadoras” as atitudes cometidas por Sandro Filho, e convocou a sociedade a estar unida na luta “contra o discurso de ódio e a violência” que tentam minar a atuação e a voz de mulheres negras.

“Nenhum fascista ou fundamentalista conseguirá deter a força e a determinação das Pretas por Salvador”, diz outro trecho da nota, que conclui reivindicando um posicionamento satisfatório da Câmara Municipal de Salvador “para garantir o pleno exercício do mandato das vereadoras e iremos acompanhar de perto seus desdobramentos”, conclui o texto. 

Procurada pela reportagem, a assessoria da Câmara de Vereadores encaminhou nota confirmando o acionamento da polícia parlamentar pela equipe da vereadora Laina Crisóstomo na tentativa de conter “um cidadão que esteve na porta do gabinete, gritando e causando tumulto”.  

A nota também informou não ter havido tentativa de invasão ao gabinete por parte do autor do ataque, Sandro Filho, mas que ele havia mentido a respeito da sala ao qual se direcionaria na Câmara. Com isso, a Casa parlamentar afirmou que haverá revisões de protocolos e novas orientações serão direcionadas aos recepcionistas do parlamento municipal no intuito de evitar episódios semelhantes ao ocorrido na última quarta-feira.