A estudante foi estuprada e morta dentro da Universidade Federal do Piauí durante uma calourada

Por Daiane Oliveira

Thiago Mayson, 28 anos, é o acusado de praticar um crime brutal contra a estudante Janaína Bezerra, 22 anos. De acordo com o inquérito da Polícia Civil do Piauí, divulgado segunda-feira (6), a estudante que foi estuprada e morta em uma sala da Universidade Federal do Piauí (UFPI), foi fotografada pelo estuprador enquanto sangrava e estuprada também após de morta. O crime aconteceu durante uma calourada entre a noite de 27 e 28 de janeiro.

Segundo a delegada Nathália Figueiredo, Thiago Mayson cometeu a violência sexual contra a jovem quando ela estava desacordada e voltou a praticar o crime após sua morte. Em entrevista coletiva, a delegada destacou que o crime foi cometido de forma bastante cruel, tanto do ponto de vista físico quanto psicológico. Ainda segundo informações policiais, as imagens feitas pelo estuprador mostram a jovem ainda viva, mas em situação de extrema vulnerabilidade.

O inquérito foi encerrado pela Polícia Civil com indiciamento de Thiago Mayson pelo crime de homicídio duplamente qualificado contendo os crimes de estupro, vilipêndio de cadáver (violência após a morte) e fraude processual, por haver a tentativa de ocultação de provas por parte do agressor. O caso também está na categoria de feminicídio.

Relembre o crime de estupro que aconteceu dentro da Universidade Federal do Piauí

Na sexta-feira, dia 27 de janeiro, a estudante do curso de jornalismo da UFPI e poeta, Janaína da Silva Bezerra, foi vítima de estupro e feminicídio durante calourada na instituição. O estudante de mestrado, Thiago Mayson da Silva Barbosa, foi preso no sábado (28) por suspeita de ter cometido o crime de estupro e assassinato.

Em nota publicada ainda no domingo (29), o Instituto de Medicina Legal (IML) do Piauí, apontou como causa da morte da estudante uma contusão na coluna vertebral a nível cervical, o que causou lesão da medula espinhal e levou à morte. A ação, ainda segundo a nota, é similar a lesões causadas por “pancada, asfixia, queda, luta, dentre outras possibilidades que estão sendo analisadas junto às investigações do caso”. Segunda a investigação policial, Janaina teve o pescoço quebrado pelo estuprador.

Ainda no dia 28 de janeiro o Diretório Central dos Estudantes (DCE) da UFPI publicou uma nota de pesar nas redes sociais convidando a comunidade acadêmica para uma vigília em homenagem à estudante. “Nesse momento de luto coletivo, nós nos solidarizamos com os familiares e os amigos, nos colocando à disposição para ajudar nas investigações e no que mais estiver ao nosso alcance para justiça com Janaina!”, diz a nota que reforça o ato de vigília como uma manifestação contra a violência de gênero. “Janaina, presente, hoje e sempre!”,  finalizou a representação estudantil.

Na segunda-feira, dia 30 de janeiro, a UFPI decretou luto oficial por três dias e suspensão das atividades acadêmicas e administrativas no Campus de Teresina. “A Universidade Federal do Piauí (UFPI) externa, com profunda indignação, repúdio acerca da violência cometida contra a aluna Janaina da Silva Bezerra, que também agride cada uma das mulheres que integram a comunidade ufpiana, bem como todos que hoje se colocam no lugar de fala de uma delas”, diz o comunicado.

A suspensão das atividades na universidade foi vista de forma negativa pelo DCE da UFPI, que apontou como tentativa de desmobilizar as homenagens e reivindicações estudantis. Assim, no dia 31 de janeiro, terça-feira, aconteceu uma assembleia conjunta onde os assédios, feminicídios, violência de gênero e diversos problemas de segurança foram denunciados pelas estudantes e pelos estudantes e entidades representativas foram levados à administração da instituição durante uma ocupação na Reitoria.

Piauí está entre os estados com mais registros de feminicídio no Brasil 

A média de feminicídios do estado do Piauí supera a nacional, segundo o  Observatório de Segurança Pública. Em relação ao período de 2019-2020, o estado registrou uma taxa de 6,9%. Já no período de 2020-2021, houve um aumento na taxa de 10%, em relação ao período anterior.