A chef de cozinha, escritora e ativista será enterrada nesta terça-feira (07)

Da Redação

Imagem: @casaninjabahia

Aos 62 anos, Angélica Moreira faleceu em Salvador (BA) nesta segunda-feira (06). A chef idealizou o projeto de etnogastronomia Ajeum da Diáspora – Cozinha de resistência, onde o processo de alimentar estava diretamente ligado às práticas ancestrais africanas. A causa da morte não foi divulgada.

Em 2021, Angélica lançou o livro “Memórias da Cozinha Ancestral”, onde abordou saberes e fazeres da etnogastronomia da Bahia, rememorando histórias da infância e os vínculos afetivos familiares. A obra reforça os saberes e fazeres experimentados e transmitidos pelas matriarcas. Para promover a transmissão de saberes e aquilombamentos, a chef comandou diversas oficinas sobre a etnogastronomia pelo país.

A ativista, que já teve em seu restaurante a filósofa e ativista estadunidense Angela Davis em 2017, foi homenageada pela Casa do Benin, pelo Terreiro Ilê Axé Opô Afonjá Bahia e outras personalidades que lamentam a morte de Angélica Moreira nas redes sociais. O enterro está marcado para às 8h, nesta terça-feira (7), na sala 4 do Cemitério do Campo Santo.