Considerado um dos pioneiros do audiovisual negro no Brasil, o diretor e ator carioca Zózimo Bulbul é tema de mostra na Itaú Cultural Play. Nove títulos entram no catálogo do streaming, a maioria realizada entre as décadas de 1970 e 2010

Texto e Imagem: Divulgação

A partir desta sexta-feira (05), a Itaú Cultural Play, plataforma de streaming de cinema e audiovisual brasileiro, acrescenta em seu catálogo uma mostra de filmes dedicada especialmente ao ator e diretor carioca Zózimo Bulbul (1937-2013). São nove produções realizadas por ele, com destaque para seu primeiro curta-metragem, Alma no Olho (1973), e o último deles, Renascimento Africano (2010), além da produção que marcou sua estreia como ator, Pedreira de São Diogo (1962). Considerado uma referência da cinematografia afro brasileira, Bulbul fez da história do povo negro no Brasil, principalmente do Rio de Janeiro, o seu caminho através do cinema. Ele também é conhecido por ser o primeiro ator negro a protagonizar uma novela no país, Vidas em Conflito (1969), na extinta TV Excelsior.

Pedreira de São Diogo, rodado em 1962, com direção de Leon Hirszman, é o único filme da mostra na Itaú Cultural Play que não foi produzido por Bulbul, mas conta com sua participação no elenco. Considerado um marco do cinema político brasileiro dos anos 1960, o curta-metragem, produzido pelo Centro Popular de Cultura da UNE – União Nacional dos Estudantes, antecipa a utopia revolucionária do Cinema Novo através de uma história de protagonismo popular.

SERVIÇO:

Itaú Cultural Play

Mostra Zózimo Bulbul

A partir de 5 de novembro de 2021

Em www.itauculturalplay.com.br

Pedreira de São Diogo (1962)

Duração: 18 minutos

Classificação indicativa: Livre

Alma no Olho (1973)

Duração: 11 minutos

Classificação indicativa: 10 anos (drogas lícitas e nudez)

Aniceto do Império (1981)

Duração: 12 minutos

Classificação indicativa: Livre

Abolição (1998)

Duração: 160 minutos

Classificação indicativa: 14 anos (nudez e violência)

Samba no Trem (2000)

Duração: 22 minutos

Classificação indicativa: Livre

Pequena África (2002)

Duração: 14 minutos

Classificação indicativa: Livre

República Tiranentes (2005)

Duração: 36 minutos

Classificação indicativa: Livre

Zona carioca do Porto (2006)

Duração: 25 minutos

Classificação indicativa: 14 anos (nudez, prostituição e drogas lícitas)

Referências (2006)

Duração: 38 minutos

Classificação indicativa: 10 anos (violência, medo e tensão)

Renascimento africano (2010)

Duração: 51 minutos

Classificação indicativa: Livre (armas sem violência)