As  irmãs olhavam roupas quando foram conduzidas por policiais militares para um ambiente reservado da loja e tiverem as bolsas revistadas

Por Patrícia Rosa

Imagem: Reprodução TV Sergipe

Duas  mulheres negras registraram boletim de  ocorrência na  2ª Delegacia Metropolitana de Aracaju (SE), após sofrerem racismo em uma das unidades da loja Marisa em Aracaju (SE). Elas  tiveram as bolsas revistadas por policiais militares dentro da loja na última sexta-feira(19).

As irmãs Monica Mattos e Simone Mattos, de 46 e 38 anos, escolhiam roupas da loja de departamentos, quando foram conduzidas para um sala separada e sofreram a abordagem, por parte de três policiais .

“Quando eu estava olhando uma blusa, entraram três policiais na loja e pediram para acompanhá-los”. As vítimas estranharam, pois não entenderam o motivo, declarou Simone a reportagem da TV Sergipe, afiliada da Globo.

De acordo com a vítima, elas foram revistadas e ficou  constatado que não havia nada nas bolsas. A situação  foi filmada pela cunhada das vítimas, que registrou a revolta das consumidoras após a situação racista. “Isso é uma vergonha, ninguém aqui está roubando não, eu pago minhas contas em dias”. O vídeo mostra o momento em que os  policiais pedem  que a vítima se acalme, e alteram a voz pedindo respeito.

A queixa foi registrada como corrência de “constrangimento ilegal”, o caso será investigado pelo Departamento de Atendimento aos Grupos Vulneráveis (DAGV). Simone é babá, após o ocorrido ela acionou seu chefe que é advogado e agora acompanha o caso.

A Marisa se posicionou por nota afirmando que a funcionária foi desligada: “A Companhia não compactua com qualquer discurso de ódio ou exclusão e tem compromisso com a igualdade e respeito a todos. Atitudes como esta não são aceitas e providências já foram adotadas, continuaremos empenhados na conscientização de todos os colaboradores, reforçando treinamentos em todas as lojas”, declarou a rede de lojas.