“Tive medo e vergonha”, diz jovem trans que denunciou um delegado por estupro em Goiânia (GO)

Kleiton Manoel Dias foi afastado de sua função, mas segue atuando em funções administrativas

Kleiton Manoel Dias foi afastado de sua função, mas segue atuando em funções administrativas 

Por Patrícia Rosa

Imagem: Reprodução

O delegado Kleiton Manoel Dias, foi afastado de sua função após ser denunciado por estupro contra uma jovem trans, de 23 anos, em Goiânia (GO). De acordo com Jade Fernandes, o crime ocorreu na sexta-feira (05), o homem teria oferecido carona para a jovem e outra mulher. O assédio teria começado após o condutor deixar a primeira passageira em seu destino.

A jovem relatou à TV Anhanguera que, quando ficou a sós com o delegado, ele insistiu para ter contato sexual. Jade se negou e o homem passou a ser mais agressivo. Ela conta que, em um momento, Kleiton a levou para o porta malas do carro, onde a estuprou,  a deixando lá após o crime.

Nas redes sociais, ela desabafou sobre o caso, disse que ficou muito assustada e que teve medo de denunciar o que aconteceu. “Eu tive medo e vergonha de contar para alguém por horas, de ser taxada como mentirosa. Eu não queria que as pessoas me vissem como vitima, foi muito humilhante para mim e por um momento eu achava que estava louca.”

O suspeito do crime se pronunciou por nota, negando e repudiando as acusações e se colocando à disposição da justiça para as investigações do caso. O delegado ainda diz que vai provar sua inocência e que “está muito abalado com o ocorrido, cuidando de sua família, esposa e filho”.

O caso está sendo investigado pela Delegacia da Mulher (Deaem), com auxílio da Corregedoria. Segundo a Polícia Civil, ao tomar conhecimento do caso, foram tomadas todas as medidas cabíveis. O delegado afastado está atuando em uma unidade administrativa. 

De 2017 a 2022, o estado de Goiás registrou 33 homicídios de pessoas trans, de acordo com o dossiê “Assassinatos e violências contra travestis e transexuais brasileiras” da Associação Nacional de Travestis e Transexuais (ANTRA).

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *