Agentes de segurança  interditaram o banheiro e escoltaram escoltaram as usuárias para fora do estabelecimento 

Por Patrícia Rosa

Imagem: Divulgação

A 73ª delegacia no município de  São Gonçalo, no Rio de Janeiro, investiga uma situação de transfobia sofrida por  Amon Kiyá, de 20 anos, e a  Luiz Ricardo, de 19 anos, que estavam usando o banheiro feminino dentro do  Shopping São Gonçalo . Elas estavam  junto com uma amiga, a mulher cis Layssa Stelle, que entraram no  banheiro do estabelecimento, depois de um dia de trabalho, quando uma segurança do estabelecimento interditou o local e impediu que elas ficassem no local, afirmando que não podiam estar alí. 

A ação do Centro de compras foi gravada pelas vítimas e circula nas redes sociais, a Luiz  Ricardo, contou como foi a situação de constrangimento: “ A faxineira ficou nos  encarando de canto e depois saiu e veio com segurança e disseram que  era feminino e a gente não podia estar ali. A gente falou pra ela que ela estava falando com 3 mulheres e  mais uma vez  reforçaram que a gente tinha que sair e que ‘não existe banheiro específico para isso’” contou  a vítima, que ainda abalada com a situação.

Na ocasião, a agente do estabelecimento chamou um segurança homem no banheiro feminino, para retirar as mulheres do local e pediram que elas utilizassem um terceiro toalete, acompanhado de frases transfóbicas, como  “Vocês estão infringindo a lei da ciência” relataram  as vítimas em postagens nas redes sociais.

A travesti e fotógrafa Amon Kaiya, fala do sentimento de pavor que vivem, após a ação violenta do shopping: “Estou com medo de andar na rua inclusive, por conta de toda repercussão e pelo risco que está de eu ser reconhecida e sofrer qualquer ataque.Está exaustivo e nenhuma de nós três estamos tranquilas. Até porque, toda hora chega informação nova, pessoas novas, e principalmente ataques novos” desabafa Amon.

O São Gonçalo shopping  fez um pedido de desculpas, através das redes sociais e dizem rechaçar qualquer tipo de discriminação.

A abordagem do estabelecimento foi gravada e divulgada por Laryssa Stelle, ela fala da cisgeneridade, na luta contra a transfobia. “Apesar de ter sido retirada do banheiro junto com elas, o meu campo de visão é diferente, é de rede de apoio, de revolta, pois eu acho que não basta eu levantar militância e protesto no que é confortável pra mim. Toda vez que penso nisso, eu vejo que fiz o certo, pois foram duas mulheres com seus direitos violados  e as pessoas que estavam lá não estavam pensando em momento algum  no que poderia acontecer a elas, caso elas saíssem e fossem para outro tipo de banheiro que não fosse o delas” finalizou Laryissa.

Desde o ano de 2019 a transfobia é crime  no Brasil, a LGBTfobia se enquadra na  Lei 7.716/89, com pena prevista de 1 a 3 anos de prisão e multa. O País é o que mais mata pessoas trans e travestis, pelo  13º ano seguido,desde 2008,  de acordo dados do Trans Murder Monitoring (Monitoramento de assassinato trans) .