Ato virtual reúne professoras e ativistas para grande tributo à Fran Demétrio, professora da UFRB e ativista dos direitos da população trans

Da Redação

Na tarde de quinta-feira (30), o  Centro de Ciências da Saúde da UFRB promoveu o “Ato e Femenagem à Professora Doutora Fran Demétrio”, que morreu na última quinta-feira (29) em decorrência de complicações da COVID-19. O ato reuniu professores e professoras, estudantes e ativistas que trabalharam e conviveram com Fran. 

Na ocasião, a Profª Draª Flávia Conceição   diretora do Centro de Ciências da Saúde/UFRB, destacou em sua fala “O quanto de afeto, merecimento e respeito Fran conquistou de cada pessoa que aqui está e de tantas outras espalhadas nesse Brasil”. Ela revelou que a Equipe de gestão do CCS/UFRB enviará ao Conselho de Centro a proposta de nomear o auditório recém construído com o nome de Auditório Professora Fran Demétrio, em reverência à suas ideias, lutas e construções de conhecimento, abrigando nas estruturas físicas do Centro de Ciências da Saúde-UFRB um reconhecimento institucional de Fran Demétrio. “Ela reconfigurou em várias dimensões formativas essa instituição” finalizou a diretora. 

Estiveram presentes também as professoras Micheli Soares (CSS/UFRB),  Sheila Brito (CCS/UFRB), Georgina Gonçalves (CAHL/UFRB), Helena Moraes Cortes (coordenadora do MPROFSAUDE/UFRB),   Deise Queiroz da Silva ((CSS/UFRB e Labtrans); Professor Marcos Pereira Santos (ISC/UFBA), a fotógrafa, Adeloyá Ojú Bará, Bruno Santana – Ativista dos coletivos deTrans pra frente e Transbatukada; Nanci Silva Santos (servidora técnica do CSS/UFRB), estudantes Inara Araújo (CSS/UFRB), Arthur Hatiro Silva Ozawa (CSS/UFRB e Labtrans), Nino Assis (CSS/UFRB). Profª Drª em Psicologia, Jaqueline Gomes de Jesus (IFRJ). 

“Fran era extremamente alegre, consciente do mundo, potente e transformadora. A melhor femenagem é lembrar da Fran dançando, sambando nas ruas de Sto Antônio de Jesus”, Profª Drª em Psicologia, Jaqueline Gomes de Jesus (IFRJ). 

“O que mais queria nesse momento é falar sobre coragem. A coragem que reconhecíamos quando nos encontrávamos diante de Fran. Essa coragem não pode ser esquecida, essa coragem deve nos atravessar”, Georgina Gonçalves (CAHL/UFRB).

“A Fran era a sofisticação da simplicidade. Que tinha uma vivência marcada por uma existência decolonial. Uma existência marcada pela resistência, pela possibilidade de ser o que se é, de se transformar e lutar pelo direito do outro como seu próprio direito”,  Helena Moraes Cortes (coordenadora do MPROFSAUDE/UFRB). 

Pós-doutora em Filosofia pela Universidade de Brasília, Fran coordenava o Laboratório Humano de Estudos, Pesquisa e Extensão Transdisciplinares em Integralidade e Interseccionalidade do Cuidado em Saúde e Nutrição, Gêneros e Sexualidades da UFRB. Em sua trajetória política, destaca-se sua atuação no campo das políticas afirmativas para população trans, além de ter sido uma voz contundente no combate ao racismo, na despatologização da transsexualidade, especialmente no campo da saúde, tão caro para a população trans. 

Lembrada por colegas de trabalho, estudantes e ativistas por sua generosidade, bom humor e vivacidade, Fran deixa saudades imensas e contribuições indispensáveis no que tange às urgências das pessoas LGBTQIA_ para a equidade e justiça social no Brasil. 

Assista a Femenagem no Youtube acessando o link: