Aos 78 anos e mais de 50 de carreira, Zezé Motta usou as redes sociais para denunciar as mensagens de ódio que recebeu

Por Daiane Oliveira

A atriz e cantora Zezé Motta, 78 anos, sofreu ataques racistas após declarar apoio ao candidato à presidência, Luiz Inácio Lula da Silva (PT). Em uma rede social, Zezé Motta denunciou as violências que vem sofrendo através de mensagens.

Seguindo uma campanha de “Vira Voto”, Motta publicou no Instagram um vídeo em que transforma o símbolo de uma arma, feito com os dedos, em um L. A publicação, que conta com mais de 35.2 mil curtidas, onde a atriz vestia uma roupa vermelha, foi uma declaração de voto ao candidato petista. No entanto, a atriz com mais de 50 anos de carreira começou a receber mensagens racistas nas redes sociais.

Um perfil com a foto do candidato Jair Bolsonaro (PL), sugeriu que Zezé Motta deixasse o currículo para a vaga de diarista. “Estou precisando de diarista depois você me manda seu currículo?” e disse que “a sinha moça tá te chamando”.

Com a frase “tem uma turma de bolsonaristas que resolveu me atacar, desde semana passada tá sendo esse porre, que gente é essa? Esse indivíduo aqui, resolveu me fazer essa proposta lá no Instagram. Que nível, asco, escrotidão…”, a atriz expor as mensagens racistas. Zezé Motta também afirmou que ao longo de sua vida passou por muitas situações de racismo declarado e afirmou que “a luta continua.”

Recentemente, Zezé foi escolhida para dar voz à história das irmãs Bibiana e Belonísia, personagens de “Torto Arado”, romance escrito pelo baiano Itamar Vieira Jr., que ganhou um projeto de audiolivro. A obra premiada com o Jabuti, em 2020, ainda não tem data para a versão narrada.