A cantora também comentou a decisão do juiz que absolveu a empresária Val Marchiori no processo que moveu por injúria racial e sua participação no BBB

Por Andressa Franco

Imagem: Reprodução

Em entrevista ao centésimo episódio do podcast Expresso Ilustrada, da Folha de S. Paulo, na última quinta-feira (15), Ludmilla comentou a recente perda do processo contra a empresária Val Marchiori, acusada de injúria racial por comparar o cabelo da artista a um Bombril. Ludmilla também fala sobre sua participação no Big Brother Brasil, onde se apresentou e deixou um recado: “respeita a nossa cor, respeita o nosso cabelo”.

O recado veio depois do episódio em que o cabelo black power do participante do reality, João Luiz, foi comparado pelo cantor Rodolffo à peruca do homem das cavernas que compunha a fantasia do monstro da semana, na dinâmica do programa.


Sobre o caso, a funkeira, que foi acusada de dar dicas para os participantes e chamada de incoerente nas redes sociais por utilizar peruca com o cabelo alisado, afirma que apenas os participantes João e Camila poderiam entender o que ela disse em seu show.  “Eu me tornei isso aqui por conta dessas pessoas, porque quando eu era a MC Beyonce lá de trás, nenhuma marca queria ser representada por mim, eu não era do padrão, eu não era aceita. Por isso eu tive que me mutilar, que afinar meu nariz, eu queria ser aceita”, desabafa.

“Eu senti que a gente andou uns quatro anos pra trás com a decisão desse cara”, comenta em relação à decisão do juiz que absolveu Marchiori enquadrando sua fala como liberdade de expressão, “Ela mesma [Marchiori], que é uma racista, ficou comemorando nos stories dela, tomando champanhe, e logo com essa decisão dele, outras pessoas se sentem fortes pra falar do nosso cabelo, pra comparar nosso cabelo com Bombril (…) E eu que sou uma artista em ascensão no Brasil, acontecendo isso comigo só fica mais claro que o racismo existe, porque nem com a fama e o poder que eu tenho, eu me livrei do racismo, então você imagina com as pessoas que não tem a visibilidade que eu tenho”.