Por Patrícia Rosa

Após a falsa acusação do roubo de uma bicicleta, no bairro do Leblon, no Rio de Janeiro, o instrutor de Surfe, Matheus Ribeiro, de 22 anos,  virou alvo de uma investigação de receptação. O fato ocorreu após a averiguação de que o veículo que ele portava , seria furtado.

Em meio às investigações do racismo, sofrido pelo jovem negro, a Polícia Civil chegou a conclusão que a bicicleta usada por Matheus, era roubada. De acordo com informações da Folha de São Paulo, o jovem declarou   em depoimento que adquiriu  a bicicleta em um site de classificados online. Ele apresentou o comprovante  de pagamento que estava  no nome da namorada de Mateus,  com valor de R $3,6 mil reais. O preço foi considerado pela polícia, como abaixo do mercado.

De acordo com nota da polícia, o vendedor da bicicleta será investigado por receptação de produto roubado. A bicicleta teria sido roubada em fevereiro deste ano, em Ipanema, na zona sul do Rio de Janeiro.

No último dia 12, Matheus foi abordado por Mariana Spinelli e  Tomás Oliveira, o casal  abordou e acusou o rapaz de ter roubado a bicicleta elétrica, que era da mulher. A dupla insistiu na falsa  afirmação de que o jovem teria  feito o roubo há poucos minutos,  naquele mesmo dia. O instrutor de Surfe,  que estava à espera da namorada, em um shopping do Leblon, gravou a ação dos acusadores e divulgou nas redes sociais.

O casal foi acusado de racismo e na última quinta-feira(17), o Ministério Público do Rio de Janeiro apresentou a denúncia contra o autor do crime,  Igor Martins Pinheiro, de 22 anos. O suspeito, que é um homem branco, foi preso após ser reconhecido por imagens de câmeras de segurança.