Casa Poéticas Negras leva cultura afrocentrada à FLIP 2023

O local será o cenário para a apresentação de mais de 50 novas publicações focados nas temáticas afroindígenas

O local será o cenário para a apresentação de mais de 50 novas publicações focados nas temáticas afroindígenas

Texto e Imagen: Divulgação

A Casa Poéticas Negras, parceira oficial da Festa Literária Internacional de Paraty (FLIP), neste ano promove uma experiência que abarca a cultura afrobrasileira e indígena. Com uma programação diversificada, a organização busca reforçar sua missão em proporcionar espaços às narrativas e expressões, com especial atenção ao letramento racial e social, através de mesas literárias gratuitas ao público,  lançamentos de livros, sessão de autógrafos, slam, poesia, exibição do documentário e shows. 

Mais de 40 horas de atividades compõem a programação, que ocorre até 26 de novembro. O evento também conta com lançamento de mais de 50 publicações de editoras especializadas em literatura afrobrasileira, diaspórica e indígena, como Coletivo Diversos, FEMINAs, Jandira, Kitembo, Miolo Mole, Pallas e Telha.

Personalidades brasileiras e do exterior marcam presença, como a filósofa Katiuscia Ribeiro, a influencer Fayda Belo, Luciana Barreto, Dani Balbi, e a escritora cubana Teresa Cárdenas.

A fundadora da Casa Poéticas Negras, Angela Damasceno, destaca a importância do letramento racial e social como base para a construção de uma sociedade justa e igualitária, onde cada voz é uma história a ser ouvida e cada identidade é um patrimônio a ser valorizado.

“Aquilombar-se é reconectar-se com a força das nossas raízes e celebrar a magia de ter uma programação repleta de cultura negra e indígena, onde a diversidade é o nosso guia”, enfatiza Angela.

Além das atividades literárias, o espaço da Casa Poéticas Negras também abrigará uma área dedicada ao empreendedorismo local e de impacto social.

Compartilhar

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *