A cena, que ocorreu no último sábado (12), foi registrada em vídeo pela vítima, e os dois serão intimados a prestar depoimento.

Por Andressa Franco

Imagem: Reprodução

O casal de jovens, Tomás Oliveira e Mariana Ribeiro Spinelli, envolvidos no caso de racismo ao acusar o professor de surfe Matheus Ribeiro de roubar uma bicicleta elétrica no Leblon (RJ), foram desligados das empresas em que trabalhavam. A cena, que ocorreu no último sábado (12), foi registrada em vídeo pelo professor de 22 anos, e os dois serão intimados a prestar depoimento. O caso é investigado pela 14ª DP (Leblon) onde a vítima prestou depoimento ainda nesta terça-feira (15).

Depois de cobranças de posicionamento nas redes sociais, a Papel Craft, rede de papelarias de grife em que Tomás trabalhava como designer, afirmou que o mesmo foi demitido, mas sem mencionar que ele é filho da dona da empresa, a empresária Malica Araújo.

O mesmo aconteceu com o espaço de danças onde Mariana trabalhava dando aulas, a Espaço Vibre, a empresa ainda afirmou em nota que está “consternada” e “tratando o assunto com toda gravidade que ele merece”. Tanto Tomás quanto Mariana deletaram suas contas em redes sociais após repercussão do caso.

No mesmo sábado do ocorrido, a própria acusada chegou a ir até a delegacia para registrar ocorrência do furto de sua bicicleta, o rapaz ainda não foi identificado pela polícia. De acordo com a delegada Natacha Alves de Oliveira, segundo o jornal “O Globo”, o relato registrado pela vítima não apresentou critério racial em seu teor, razão pela qual apenas após os depoimentos será possível determinar se o crime será investigado ou não.

Matheus relatou que aguardava a namorada em frente ao Shopping Leblon, no Dia dos Namorados, quando foi abordado por um casal de brancos e acusado de roubar a bicicleta elétrica que estava com ele. “Você pegou essa bike, não foi? Essa bike é minha”.

Matheus Ribeiro descreveu o acontecido em seu perfil no Instagram, onde conta que foi necessário mostrar fotos antigas com o veículo e a chave do cadeado para provar que a bicicleta era sua. O jovem também publicou um vídeo que registra a parte final do ocorrido, pouco antes de o rapaz que o acusava tentar, sem sucesso, abrir o cadeado da bicicleta sem autorização.