O apresentador foi absolvido pelo juiz ter entendido que houve apenas um “comentário jornalístico”. A cantora vai recorrer da decisão judicial

Por Daiane Oliveira

Imagem: Reprodução Redes Sociais

A cantora e compositora Ludmilla, de 27 anos, perdeu o processo movido contra o apresentador Marcão do Povo, de 43 anos, por injúria racial. Em janeiro de 2017, o âncora se referiu à cantora como “macaca” e “pobre” durante um programa que comandava na TV Record. Com a decisão na noite desta segunda-feira (27), o apresentador é inocentado por “falta de provas”.

A decisão de absolvição do processo foi divulgada pelo advogado de defesa do apresentador, Rannieri Lopes, em uma rede social. “Acabou de sair a decisão do processo em que a funkeira Ludmilla acusa o meu cliente, Marcão do Povo, por ter chamado ela de macaca. Na sentença o Marcão foi absolvido por falta de provas no processo”, diz o advogado que finaliza parabenizando o cliente.

Na manhã desta terça-feira, durante o programa que comanda na emissora SBT, Marcão do Povo disse que foi “mal interpretado” e apresentou a decisão judicial afirmando que seria a inocência “diante de tudo que fizeram comigo.” O apresentador ainda utilizou o termo “denegrir” para afirmar que sua imagem foi maculada, mas não explicou em que contexto chamar uma pessoa negra de “macaca” poderia não ser interpretado como racismo.

Em nota, a cantora Ludmilla disse que “ontem foi mais um dia difícil na vida de quem luta contra o preconceito. Surpreendentemente, mesmo após a utilização dos termos ‘pobre e macaca’ contra mim, o Juízo da 3ª Vara Criminal de Brasília entendeu que não houve, por parte do apresentador Marcão do Povo, a intenção de ofender (?!). Pois eu digo: ofendeu sim e meus advogados estão preparando o recurso cabível. Como pode?”, questionou a cantora.

A cantora ainda reforçou na nota que não conhecia o apresentador e nunca conversou com o mesmo, para se defender das acusações de possíveis “motivações” para o ataque racista. “Entendam de uma vez por todas: mesmo quando eu estou na cadeira de vítima dão um jeito de me sentar na de vilã”, finaliza a artista. Enquanto a hashtag “Ludmilla merece Justiça” ganha repercussão nas redes sociais, a cantora informa que vai recorrer da decisão judicial que inocenta o apresentador.