No momento que foi imobilizado, o jovem fala que não é bandido e que é jogador de futebol e o motorista pede que pessoas liguem para polícia.

Por Patrícia Rosa

Imagem: Reprodução

Um motorista de aplicativo branco, Matheus Fortes Esteves, agrediu  um jovem negro, de 18 anos, durante uma corrida na última quinta-feira (17), no Rio de Janeiro. O motorista achou que uma garrafa de whisky, que a vítima levava dentro da bolsa, era uma arma.

Carlos Eduardo Lemos, pegou a corrida no bairro do Andaraí (RJ) para ir ao encontro da mãe em Bonsucesso (RJ). O adolescente declarou que a corrida seguia tranquila  e ele já estava próximo ao destino final quando o agressor puxou o freio de mão e deu uma cotovelada no  passageiro e disse, ‘perdeu, neguinho’.

“Eu estava com uma bolsa, que tinha guardado  meu whisky, eu ia na festa e ia beber com meu primo. Aí, ele simplesmente olhou a bolsa e ligou que fosse uma arma de fogo, achando que eu ia roubar ele”, afirmou Carlos Eduardo ao portal G1.

O momento da agressão foi registrado, na gravação aparece o momento em em que o jovem negro é imobilizado no chão, a vítima fala que não é bandido e que é jogador de futebol e o motorista pede que pessoas que estavam no lugar liguem para polícia.

“Minha mãe está preocupada aí mano, eu estava conversando agora contigo e você faz isso comigo mano”, diz o jogador de futebol.

Uma mulher que acompanhava as agressões, conversava com Carlos Eduardo durante as agressões  enquanto ele estava imobilizado pelo motorista, e ligou para a mãe dele. O motorista deu a bolsa para as pessoas que estavam no local, onde foi confirmado que o jovem levava uma garrafa de whisky.

De imediato o caso foi registrado como  lesão corporal, na  20ª Delegacia de Polícia de Vila Isabel, o jovem discorda da tipificação.”Eu acho que eu fui vítima de racismo, mais uma vítima de racismo. Eu só peço que pelo menos a Justiça faça sua parte.”

A Uber, empresa que Mateus prestava serviço, se pronunciou por nota, e declarou que não tolera discriminação e que o motorista terá a conta desativada enquanto o caso for investigado.