O motorista fugiu do local sem prestar socorro, a vítima foi sepultada na última segunda-feira (29)

Por Daiane Oliveira e Patrícia Rosa

Imagem: Reprodução

A Polícia Civil do Paraná investiga a morte de Daiane de Jesus Oliveira, de 28 anos, que foi agredida por seguranças da boate Moonlight, na madrugada do último domingo (28), em Cascavel (PR). Após as agressões Daiane foi deixada na frente da boate, no meio da pista, quando um carro em alta velocidade atropelou a vítima arrastando-a por 70 metros. Devido aos ferimentos ela não resistiu e faleceu ainda no local.

Imagens da câmera de monitoramento registrou o momento em que dois funcionários abordam a mulher e um outro observava a ação. A vítima parecia alterada, tentou brigar com os seguranças que a contiveram e revidaram. Daiane Oliveira foi deixada caída no meio da pista sem se mover, como se estivesse desacordada após a agressão. Algumas pessoas observam a mulher jogada no chão, mas quando se aproximaram o carro em alta velocidade atingiu Daiane. O motorista que atropelou a vítima saiu do local sem prestar socorro.

A Polícia Militar (PM-PR) informou que a motivação do desentendimento, quando começou a confusão, foi porque a jovem tentou entrar na casa noturna sem a parte de cima da roupa. Alguns minutos após, um dos seguranças chuta o que parece ser uma lata de bebida e Daiane reage, vai para cima do homem e os dois começam a brigar na rua. Ela leva pelo menos dois chutes e um empurrão, demonstrando um total despreparo dos seguranças para lidar com a situação. Um dos seguranças agressores é policial penal. De acordo com a Polícia Civil, os autores prestaram depoimento.

A boate Moonlight se pronunciou por nota lamentando o ocorrido e informou que os seguranças envolvidos na agressão foram afastados do estabelecimento e que está colaborando com as autoridades, fornecendo informações e recursos necessários para a apuração do caso:

“Ressaltamos que a atitude desses seguranças não reflete os valores e padrões éticos estabelecidos pela Moonlight. Repudiamos qualquer forma de violência e garantimos que serão tomadas as medidas necessárias para evitar que situações semelhantes ocorram novamente em nosso estabelecimento”, declarou a casa noturna.

Sem dizer como, a boate ainda informou em nota que se preocupa com o “bem estar dos familiares da vítima” e que “A Moonlight está empenhada em promover mudanças efetivas e aprimorar ainda mais nossos protocolos de segurança, garantindo um ambiente acolhedor e seguro para todos”. Infelizmente esse empenho não foi feito antes e não pôde impedir a morte de uma jovem de 28 anos.

O sepultamento de Daiane aconteceu na última segunda-feira (29), no Cemitério Municipal de Tupassi, na cidade paranaense em que ela morava. A Polícia Penal do Paraná (PPPR), encaminhou uma nota para o jornal Folha de São Paulo, declarando que o agente foi afastado das suas funções e que um procedimento administrativo foi aberto para apurar a conduta do policial penal. Além de dizer que repudiam “os atos de violência.”