O estudo é realizado pelo Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros (FONATRANS), em parceria com a mandata coletiva Pretas Por Salvador (PSOL/BA) e a Redes Vivas

Texto: Divulgação

Imagem: BrutallyHonestFREE/Pixabay/Reprodução

Com o objetivo de mapear e analisar as demandas da população LGBTQIAPN+  no estado da Bahia, o Fórum Nacional de Travestis e Transexuais Negras e Negros (FONATRANS), em parceria com a mandata coletiva Pretas Por Salvador (PSOL/BA) e a Redes Vivas realizam uma pesquisa para levantar dados  referentes a áreas como emprego, renda e educação dessas comunidades no estado.

O formulário visa identificar a realidade e as  necessidades, específicas de lésbicas, gays, bissexuais, interssexuais, assexuais, pansexuais, não binários, pessoas transgêneros e travestis. Nos últimos dois anos, somente Salvador  registrou 401 casos LGBTfobia, de acordo com Ministério Público da Bahia (MP-BA).

“Se a gente está falando de um estado que tem altas taxas LGBTfobia, precisamos mapear onde estão sendo ocasionadas essas práticas de violência e desumanização. Para que possamos intervir,  através da políticas públicas para amenizar ou erradicar essas violações e violências contra a população LGBTQIA+”, afirma Thiffany Odara, assessora parlamentar da mandata Pretas por Salvador e articuladora política do Fonatrans.

Tiffany atenta para  a importância das comunidades preencherem  o formulário, e assim ter dados consistentes para  apresentar e cobrar do estado a  ausência de políticas públicas na garantia de direitos para a população LGBTQIA +.

O formulário já está disponível para preenchimento online e poderá ser acessado por meio do link .