O ambientalista foi vítima de asfixia mecânica e estava inserido no Programa Nacional de Proteção a Defensores de Direitos Humanos

Por Patrícia Rosa

Imagem: Arquivo Pessoal

Foi enterrado em Aracaju, nesta quinta-feira, o corpo do presidente da Associação de Catadoras e Catadores de Mangaba, Uilson de Sá da Silva, de 48 anos. Ele foi encontrado morto e amarrado na residência onde morava, no bairro de Santa Maria em Aracaju,  na última segunda-feira, 28.

O caso está sendo investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP), que não descarta nenhuma motivação e aguarda a conclusão dos laudos. A Polícia Civil de Sergipe confirmou a causa da morte como asfixia mecânica. 

A integrante da Associação de Catadores de Mangaba, Tainara Vinal, de 29 anos, manifestou o pesar pela grande perda. “O senhor Uilson, foi uma pessoa muito importante, na nossa luta em defesa do nosso território  e inclusive terminou perdendo a vida por isso, foi de uma crueldade muito grande”, desabafou a ativista.

A associação publicou uma nota nas redes sociais lamentando a morte do líder e afirmando que o ambientalista sofria ameaças. “ O senhor Uilson, Junto com as 49 famílias de extrativistas de mangaba já haviam feito diversas denúncias contra a derrubada de mangabeiras no bairro Santa Maria, em Aracaju. As lideranças extrativistas e o senhor Uilson já haviam relatado diversas ameaças, inclusive chegaram a acionar o Ministério Público”, declarou a associação.O ambientalista estava inserido no Programa Nacional de Proteção a Defensores de Direitos Humanos, “a gente não entende como simplesmente eu não sei o que aconteceu, pois a proteção não valeu e ele acabou sendo assassinado”, finalizou Tainara.