Ato acontece nesta quinta-feira (12) às 8h na Praça da Piedade em Salvador

Por Andressa Franco

Imagem: Manu Dias/GovBa

A próxima quinta-feira (12) marca os 223 anos da deflagração da Revolta dos Búzios, movimento que reivindicava a abolição da escravatura e o atendimento às demandas das camadas pretas e pobres da população. Movimento também conhecido como Conjuração Baiana, Revolta dos Alfaiates, ou Revolta das Argolinhas. Eles utilizavam búzios em pulseiras e argolas para se reconhecerem entre si, sendo a denominação Alfaiate devido ao ofício que muitos dos participantes exerciam.

Em referência à data histórica, a Secretaria Estadual de Promoção da Igualdade Racial (Sepromi) promove o hasteamento de uma réplica da bandeira da Revolta dos Búzios na manhã desta quinta-feira (12). O ato acontece às 8h, na Praça da Piedade em Salvador, local onde os líderes do levante negro e popular foram executados. O evento faz parte das agendas estratégicas da Década Internacional Afrodescendente na Bahia.

O evento terá um número limitado de pessoas, reunindo lideranças do movimento negro, representações governamentais, parlamentares, profissionais da cultura e da educação, dentre outros segmentos, e seguindo os protocolos de segurança sanitária. Durante o ato, também serão depositadas flores nos bustos dos mártires da insurreição: Lucas Dantas, Manuel Faustino, Luís Gonzaga e João de Deus.

No mesmo dia, a partir das 14:30h, acontece a live “Revolta dos Búzios: Lutas históricas e contemporâneas”, discutindo a importância do levante popular. O encontro reunirá estudantes, educadores, dirigentes escolares e ativistas, com participação e interatividade do público. A transmissão será pelo canal da Secretaria da Educação no Youtube, contando com a palestras de pesquisadores, representações do movimento negro e de blocos afro.

Um marco na história das mídias negras – “nossos passos vem de longe”

Deflagrada em 12 de agosto de 1798, a Revolta dos Búzios foi um levante negro revolucionário ocorrido no período Brasil-Colônia, considerado um dos mais amplos do ponto de vista político, econômico e social da história. Neste dia, 11 boletins pedindo liberdade, igualdade e o fim da escravização foram espalhados em pontos estratégicos da capital baiana, boletins que foram chamados de “sediciosos” pela Coroa Portuguesa, e que convocavam os cidadãos a se rebelar contra o império e fundar a “Republica Bahinense”.

A Revolta dos Búzios é uma data simbólica para as mídias negras, já que, mesmo em um período onde a imprensa era proibida pela Metrópole portuguesa, a comunicação foi a estratégia utilizada através dos boletins espalhados pela cidade, permitindo que a mensagem fosse propagada, pelos poucos que eram alfabetizados, para a maior parte da população. O resultado do que começou há 223 anos, hoje pode ser visto na imprensa negra e independente construída em todo o Brasil.