Filmes integram ao projeto Cine Bodó, iniciativa que promove capacitação audiovisual gratuita

Texto: Karine Pantoja

Imagem:  Alonso Júnior

Três curtas-metragens serão lançados nesta terça-feira (18/05), no canal do youtube do Grupo Picolé da Massa. Os filmes são produzidos por jovens que participaram das oficinas de audiovisual oferecidas pelo projeto Cine Bodó, iniciativa que promove capacitação audiovisual gratuita, com o intuito de produzir, difundir, idealizar, escoar e incentivar projetos culturais ligados às linguagens artísticas e audiovisual.

Em 2021, três comunidades participaram da atividade, onde cada aluno ou aluna aprende como produzir roteiro, práticas de fotografia e dicas de atuação. Todo o universo cinematográfico é explorado pelas crianças e adolescentes, que ao final da oficina produzem filmes de até 5 minutos.

Devido às recomendações dos órgãos de saúde, a tradicional Mostra Itinerante de Audiovisual, que acontece presencialmente em cada bairro, teve de ser suprimida, sendo lançada virtualmente, tornando-se a Mostra Virtual de Audiovisual Cine Bodó 2021.

“Pra gente, é muito importante que essa juventude se veja, que tenha acesso às suas produções, o resultado final do seu trabalho. Esse ano, o Cine Bodó teve seu público reduzido, seguindo as recomendações de saúde, mas ainda assim foi muito gratificante entrar em um processo onde é possível perceber o interesse e engajamento dos participantes.”, explica Dheik Praia, uma das idealizadoras da ação.

Imagem: Alonso Júnior

Ainda conforme a produtora, além da Mostra Virtual de Audiovisual Cine Bodó 2021, a ideia é disponibilizar para todas as comunidades os filmes produzidos. “Esta é uma forma de manter um link com os participantes, realizar essa devolutiva presencial, de acordo com as recomendações de saúde, é uma forma de sermos ponte para estes alunos que se dedicaram às oficinas e ao projeto”, conta.

Com o filme “Não Desista”, o projeto Soul do Monte, localizado no bairro Monte das Oliveiras, na zona Norte, foi o primeiro a iniciar as filmagens. O curta retrata a história de uma família que enfrenta dificuldades financeiras, onde encontra, mesmo em notícias “ruins”, uma que traz esperança e felicidade aos membros.

Já no Quilombo Urbano de São Benedito, na Praça 14, zona Sul de Manaus, os participantes roteirizaram, atuaram e dirigiram o filme “O Cajueiro”, que fala sobre a vida de uma árvore presente no quilombo e que guarda, em seu tronco e folhas, memórias presenciadas ao longo do tempo.

“Eu aprendi várias formas de fazer um roteiro para filme ou vídeo e que também existem diversos ângulos para a produção de fotografia, e eu achei bem interessante, mesmo que antes eu nunca tivesse tido contato com esse meio”, disse o jovem David Souza, de 13 anos, que participou das oficinas no Quilombo da Praça 14.

“A menina metida” é o terceiro e último curta-metragem a ser apresentado. Produzido no bairro João Paulo, na Associação Diamante Lapidado, que ampara crianças e adolescentes, o filme traz a perspectiva de Júlia, uma criança que, ao negar brincar com seus amigos, percebe a alegria e a diversão presente nas brincadeiras de rua que muitos adultos já participaram.

Diretora e uma das idealizadoras do projeto, Keila Serruya Sankofa, explica que as produções são simples como estrutura, mas como vivência modificam, significativamente, a trajetória dessas crianças e jovens, que têm a oportunidade de usar equipamento audiovisual profissional.

Imagem: Alonso Junior

“Sabemos que essa oportunidade é só um pequeno estímulo, mas já estamos sonhando com um Cine Bodó 2022 mais potente, já que esse projeto se supera a cada ano. Todo mundo deveria ter direito de contar suas histórias através do cinema, nosso trabalho é apenas construir a mesma oportunidade que tivemos quando jovens nos deparamos com projetos sociais de audiovisual. Dheik e eu somos mulheres pretas de periferia, e sonhamos sempre coletivamente para construir novos rumos sociais possíveis”, enfatiza a diretora.

Exibições

Cada produção será lançada na terça-feira (18/05), em horários diferentes, o filme “Não Desista”, do Grupo Soul do Monte, bairro Monte das Oliveiras, ocorrerá às 12h. O segundo curta-metragem, intitulado “O Cajueiro”, produzido pelo Quilombo Urbano de São Benedito (Praça 14), acontece às 15h, e a “A Menina Metida”, desenvolvido pelos participantes da Associação Diamante Lapidado, bairro João Paulo, às 18h, todos pelo canal no youtube do Grupo Picolé da Massa.

Formato

Além da produção de filmes, no qual fazem parte das oficinas realizadas nas comunidades com os jovens, o projeto conta, ainda, com rodas de conversas com narrativas ‘periféricas’ e trocas de vivências. Porém com a pandemia causada pelo coronavírus, o formato do projeto passou por mudanças, acontecendo de forma híbrida, com as oficinas de audiovisual ocorrendo de duas formas, remotamente através do Whatsapp e Google Meet, com o objetivo de evitar aglomerações e, presencialmente, em cada comunidade.

“A gente compreende que a alfabetização do audiovisual, nesse ano de 2021, foi essencial no processo de comunicação a distância. Assim, buscando a segurança dos participantes, o projeto restringe-se em oferecer oficinas para até 10 jovens por comunidade. O processo de formação ocorreu através de videoaulas, que chegaram a esses alunos através de aplicativos e plataformas fáceis e acessíveis, que permitiram que o participante tivesse acesso aos conteúdos sem dificuldades”, explica Keila Serruya Sankofa, diretora do projeto.