Ministra do Planejamento disse ter dificuldade em contratar mulheres pretas para compor a pasta

Por Daiane Oliveira

Imagem: Gov-BA/Reprodução

A ministra do Planejamento, Simone Tebet, afirmou na quarta-feira (4) que teve dificuldade para encontrar e contratar mulheres negras para trabalhar na pasta. A ex-senadora, que esteve ao lado do presidente Lula no segundo turno, havia prometido uma composição ministerial com diversidade racial e de gênero.

Simone Tebet ainda tentou justificar a fala apontando que as mulheres eram responsáveis pelo sustento da casa e que havia a limitação da mudança de cidade. “A gente sabe, lamentavelmente, que mulheres pretas normalmente são arrimo de família. Trazer de fora de Brasília é muito difícil porque os salários são muito baixos”, declarou a ministra.

Após a fala polêmica e que segue a linha colonialista de colocar mulheres negras no espaço de exclusão, a ministra da Igualdade Racial, Anielle Franco, afirmou nesta quinta-feira (5) que entregou uma lista formulada pelo movimento “Elas no Orçamento” com mulheres pretas com que possuam a expertise necessária para atuar na área de finanças públicas. Anielle Franco ainda informou que outras ações concretas estão sendo articuladas em conjunto.

“Eu já apresentei para ela [Tebet] algumas ideias e a gente vai falar mais adiante, eu não posso falar ainda, mas uma delas, por exemplo, que foi ideia do nosso ministério, é a gente ter inclusive um banco de pessoas, currículos, público mesmo, em ligação com ministérios transversais, para que a gente possa vir a preencher todas essas vagas”, afirmou Anielle Franco que entregou a lista antes da posse de Tebet no ministério.